Voltar
                                                                                                         Inocente@netmadeira.com              Abel Zeferino
 
 
 

                         

 
 

Eis um rol de algumas profissões e hábitos que foram desaparecendo com o passar do tempo, tais como:

A ama

Tenha cuidado, menino!”
 
 
 

 

 

 

 
 

A Costureira

“Ai, chega, chega, chega, chega, ò minha agulha...”

 

 

 

 

 

O aguadeiro

"Há água fresquinha! Quem quer, quem quer?"

 

 

 

 

"Vendemos livros cheios de histórias e que O Alfarrabistapor vezes são surpreendentes”

 

 

 

 

 

O Ardina

O senhor quer comprar um jornal?

 

 

 

 

A Lavadeira

“...três corpetes, um avental...que a freguesa deu ao rol.”

 
 

 

 

 

 

O Barbeiro

 

 

 

 

 

O Calceteiro

Os calceteiros,  com lentidão, calçam de lado a lado a longa rua.
 
 

 

 

 

 

Criada de servir

 

 

 

 

 

O engraxador

Sentado na banqueta, pano nas mãos, curvado sobre o sapato do freguês, concentrado e absorto, como se nada no mundo fosse capaz de o fazer levantar a cabeça.

 

 

 

O Estivador

 É na estiva, é na estiva ás vezes me sinto morto a alma morta, a carne viva


 

 

 

 

 

Fotografo á lá minute

“Olhó passarinho!”
 
 

 

 

 

 

Limpa chaminés

“Muitas vezes parece que o diabo bate à nossa porta, mas é simplesmente o limpa-chaminés”

 

 

 

 

 

 

Moço de fretes

Com passinhos curtos, anda dobrado como se tivesse dores de bexiga. A cara e os olhos são vermelhos, ensopados em sangue. Carrega tudo aos ombros com uma complicação de cordéis...”

 

 

 

 

 

 A Modista

“...Muito valorizada entre os anos 30 e 40. Ela fazia o trabalho que hoje faz o estilista e tinha um status maior que a costureira. Ser modista era chique”...

 
 
 

 

 

 

O Calista

Trata ou remove os calos

 

 

 

 

 

O Carteiro

Tem carta p'ra mim?

 

 

 

 

 

O Coveiro

Lá vem mais um

 

 

 

 

 

 

O Padeiro

Olha o padeiro entregando o pão De casa em casa entregando o pão Menos naquela, aquela, aquela, aquela não Pois quem se arrisca a cair no alçapão?

 

 

 

 

 

 

O Pescador

Rede que volta vazia traz tristeza ao pescador, Que apesar da arrelia, Leva em frente o seu labor

 

 

 

 

 

O Policia

“Não quero aí ajuntamentos...”
 

 

 

 

 

 

O Propagandista

Olha a banha de cobra”

 

 

 

 

 

 

O Sapateiro

 
 

 

 

 

O Taberneiro

Entre, mas não peça fiado

 

 

 

 

 

 

A Telefonista

“Para onde quer falar?”

 

 

 

 

 

 

 

O Trapeiro

Quem tem trapos ou farrapos que queira vender ou trocar”

 

 

 

 

 

A Varina

Olha carapau fresquinho

 

 

 

 

Vendedora de galinhas e ovos

compre esta que já tem ovo

 

 

 

 

 

 

Vendedor de castanhas

“São quentes e boas”

 

 
 

 

 

 

Vendedor de gelados

 
 

 

 

 

vendedor de Rendas

Olhe senhora, esta é de bilros!”
 
 
 

 

 
 

 

 

Vendedora de petiscos

digam lá a marca dos sapatos deste senhor?

 

 

 

 

Vendedeira de refrescos

 

 

 

 

Amola tesouras

                                      Amola: facas e tesouras, conserta: guarda-chuvas